sábado, 1 de agosto de 2015

Uma comprida história

É um dia de sol na São Paulo que é lar de mais de 11 milhões de pessoas. Olhando mais de perto, encontramos uma Helô - que costuma ser serelepe e radiante - triste e confusa a ponto de esbarrar em várias pessoas na rua por desatenção.
Depois de finalmente chegar na estação certa (tendo errado duas vezes a entrada e ainda tentado embarcar no metrô com o bilhete do trem), ela se senta em uma cadeira e chora em silêncio para o celular. 
Para sua surpresa, depois de alguns soluços, recebe um cutucão delicado no ombro.
- Desculpe. Estou te vendo muito triste. Queria dizer que se você precisar conversar estou aqui.
(É importante salientar que ela não conhecia esse homem.)
- Desculpe, não me sinto à vontade para chorar minhas dores a um estranho.. Mas obrigada.
Após mais um tempo de angústia, foi interrompida de novo.
A tristeza de Helô encontrou conforto para transbordar nessas palavras. Assim, ela contou ao estranho como se deram todos os seus problemas e tudo o que parecia ser importante para que ele pudesse tentar ajudá-la. Por coincidência, os dois desceram na mesma estação do metrô e tiraram mais alguns minutos para essa sessão terapêutica. Quando ela conseguiu parar de chorar, ganhou um perfumado abraço, agradeceu e cada um pôde seguir seu caminho.
Todas as noites que se seguiram trouxeram a Helô a curiosidade de saber o que faria um anjo como aquele estranho se interessar em ouvir uma mulher se queixar da vida (um homem! Com vontade de ouvir uma mulher se queixar da vida!) sem perguntar detalhes que um sequestrador perguntaria caso quisesse feri-la posteriormente. Sem julgar, sem banalizar, ouvindo atentamente e tentando ajudar. E cada dia mais, ela sentia vontade de saber algo sobre ele, de fazer dele algo mais além do estranho do metrô. Porém, em uma cidade tão grande, quais as chances de rever uma pessoa ao acaso?
As semanas se passaram e se tornaram meses.
E agora vamos para uma São Paulo de chuva, onde, a pé, anda o sem sorte Eduardo, que esqueceu de sacar dinheiro e não conseguiu comprar capa de chuva com cartão de crédito. Além disso, ele está atrasado para o trabalho, não consegue pegar um táxi porque ninguém quer levar um homem ensopado e sua mochila não é impermeável - e guarda um computador.
Eduardo entra na primeira cafeteria que vê, para se proteger da chuva, se esquentar com um café e tentar secar o computador. Senta em uma mesinha no canto, abaixa a cabeça e massageia as têmporas.
- Acredito que de todas as pessoas para as quais poderíamos chorar as nossas dores, uma estranha disposta seja a melhor. Vou te escutar, te acalmar e depois nunca mais vamos nos ver.
Dessa vez olhamos para uma Helô decidida a fazer da última frase uma mentira, um Eduardo disposto a aceitar e uma comprida história começando.

Um comentário:

  1. E aí eu penso: Cadê um Eduardo na minha vida? hahahahah'

    ResponderExcluir